Segunda, 26 de Julho de 2021 02:08
(43)9.8860-1609
GERAL Paraná

Comunidade indígena Rio das Cobras aprova estudo da Nova Ferroeste

Os trilhos da Ferroeste já passam perto de Rio das Cobras, onde vivem 3,2 mil pessoas. Agora, com a Nova Ferroeste, a ideia é avaliar se haverá alg...

20/07/2021 18h35
41
Por: Jaguariaiva em foco Fonte: Secom Paraná
© Alessandro Vieira/AEN
© Alessandro Vieira/AEN

Os caciques e líderes indígenas do Território Indígena Rio das Cobras, no município de Nova Laranjeiras, no Centro-Sul do Estado, aprovaram nesta terça-feira (20) o cronograma, a metodologia e o roteiro do estudo que servirá de suporte para a Nova Ferroeste. O encontro virtual reuniu membros da comunidade, representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário e da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), empresa contratada pelo governo estadual para a realização do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA). 

Os trilhos da Ferroeste já passam perto de Rio das Cobras, onde vivem 3,2 mil pessoas. Agora, com a Nova Ferroeste, a ideia é avaliar se haverá algum impacto novo na vida dessa população com o aumento do transporte de cargas. Esta é a única área indígena ao longo dos 1.285 quilômetros que conectarão Maracaju (MS) a Paranaguá (PR). 

Vivem nas aldeias as etnias Kaigang e Guarani. É uma área de 19 mil hectares que foi destinada pelo Governo do Paraná em 1901. A maioria dos habitantes vive da lavoura. 

“Esse estudo vai levar cinco meses. As equipes vão realizar entrevistas, fotografar e organizar os dados coletados para produzir o relatório”, explicou Rodrigo Bulhões, coordenador do Componente indígena de Transporte e Mineração da Funai. As compensações para o impacto serão indicados a partir dessa análise detalhada da rotina e da relação dos habitantes da área indígena com o entorno.

Os pesquisadores vão avaliar diversos aspectos que podem influenciar a vida nas aldeias da região. Com a revitalização do traçado atual entre Guarapuava e Cascavel e a ampliação da linha férrea, a rotina de quem vive próximo aos trilhos deve mudar.

“Vamos entender como está a situação hoje e como vai ficar futuramente. Não é simples para os técnicos fazerem esse exercício. Precisamos prever o que vai acontecer lá na frente com o aumento de carga passando na região”, destacou Paulo Goes, antropólogo e coordenador do estudo da Fipe. 

Segundo o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves, nesta região o novo traçado vai se manter muito próximo ao atual. Ele disse que as novas locomotivas híbridas, movidas a óleo diesel e eletricidade, serão muito mais silenciosas em relação às atuais. “Certamente o vencedor do leilão vai trabalhar com equipamentos mais modernos”, afirmou.

No início do mês, representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e da Funai visitaram o Paraná esobrevoaram a área. Os técnicos também percorreram de trem o trecho em que a ferrovia se aproxima da região. O ponto mais próximo tem 1,5 quilômetro.

“Constatamos que o trecho da ferrovia que já existe está num desnível bem grande da terra indígena, então acaba tendo uma barreira natural que reduz os impactos que a ferrovia vai causar”, disse Carla Costa, coordenadora-geral de Licenciamento Ambiental da Funai.

QUILOMBOLAS– A nova ferrovia também vai passar próximo a uma comunidade quilombola, no município de Guaíra. O grupo é formado por 17 famílias. As mesmas etapas do estudo do componente indígena serão aplicadas aos moradores dessa região.

NOVA FERROESTE– O projeto prevê a ampliação e modernização do traçado atual da Ferroeste. Os trilhos vão entrar no Paraná por Guaíra e seguir até Cascavel, onde se encontrarão com a ferrovia já existente. Lá também será o destino de um ramal previsto até Foz do Iguaçu. 

De Cascavel, a Nova Ferroeste desce em direção à Região Metropolitana de Curitiba e contorna a Capital até a Serra do Mar, para então alcançar ao Porto de Paranaguá. A ferrovia vai passar por 41 municípios do Paraná e será o segundo maior corredor de exportação de grãos e contêineres do País em volume de carga, com valor estimado em 3% do PIB nacional.

Pelos trilhos do futuro Corredor Oeste de Exportação, estima-se que devem passar cerca de 38 milhões de toneladas de cargas no primeiro ano de operação. Com investimentos no Porto de Paranaguá, o eixo potencializa a redução dos custos de exportação – cerca de 28% –, refletindo na elevação da produtividade e competitividade do setor produtivo.

O projeto ainda está em fase de estudos ambientais (EVTEA-J e EIA/RIMA). Eles serão concluídos até o fim do ano. A partir de janeiro estão previstas audiências públicas em todas as regiões do traçado.

A Nova Ferroeste deve ir a leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) no primeiro semestre de 2022. A empresa vencedora vai executar o projeto e poder explorar o empreendimento por 60 anos. A iniciativa privada vai investir R$ 25 bilhões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.