Sábado, 16 de Janeiro de 2021 03:09
(43)9.8860-1609
POLICIAL NO RIO DE JANEIRO

Bombeiro preso por atropelar e matar ciclista tem 10 multas não pagas por dirigir acima do limite de velocidade

João Maurício Correia Passos foi preso e indiciado por homicídio na segunda-feira (11). Além das 10 multas em abertos por dirigir acima da velocidade permitida, oficial do Corpo de Bombeiros também tem outras 4 infrações não pagas por conduzir com a habilitação suspensa.

12/01/2021 08h23 Atualizada há 4 dias
102
Por: Jaguariaiva em foco Fonte: G1
Bombeiro que atropelou ciclista no Recreio aparece em vídeo, gravado horas antes, com garrafas de vodca e uísque — Foto: Reprodução
Bombeiro que atropelou ciclista no Recreio aparece em vídeo, gravado horas antes, com garrafas de vodca e uísque — Foto: Reprodução

 

O capitão do Corpo de Bombeiros do Rio João Maurício Correia Passos, preso por atropelar e matar um ciclista na manhã de segunda-feira (11), tem 19 multas de trânsito vencidas (não pagas), conforme apurou a GloboNews.

Do total de infrações, dez são por dirigir acima do limite de velocidade, quatro por conduzir com a habilitação suspensa e as outras cinco por outros tipos de infração, como estacionamento irregular.

O total devido pelo bombeiro em multas é de R$ 2.811,64. As sanções foram aplicadas entre 2013 e 2020.

Testemunhas disseram que João Maurício estava em alta velocidade quando atropelou o ciclista Cláudio Leite da Silva, de 57 anos. Cláudio morreu na hora.

O oficial ainda tentou fugir do local do atropelamento, que aconteceu no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.

Pedido de prisão preventiva

Em um relatório de 30 de dezembro, a Polícia Civil chegou a pedir a prisão preventiva do capitão. Na época, João Maurício foi indiciado por lesão corporal, ameaça e enquadrado na Lei Maria da Penha.

O documento, também obtido pela equipe de reportagem, traz o relato do pai do bombeiro, assim como um perfil do oficial. São citadas como características dele "agressivo, alcoólatra e viciado em drogas".

No dia 5 de janeiro deste ano, a mulher de Passos foi à delegacia e afirmou à polícia ter ficado paraplégica depois de um acidente de trânsito causado pelo marido. Segundo ela, na ocasião o oficial estava alcoolizado.

Ela também contou que era agredida frequentemente dentro de casa. O caso mais recente teria ocorrido no mesmo dia da denúncia.

Indiciado por atropelamento

Na tarde de segunda-feira, a 42ª DP (Recreio), que investiga o caso, indiciou o oficial dos Bombeiros por homicídio com dolo eventual (assumindo o risco de matar), fuga do local e embriaguez ao volante.

A polícia analisou vídeos gravados em um posto de gasolina, onde o capitão parou e bebeu antes do acidente. Em um deles, gravado por câmeras de segurança, Passos aparece comprando cerveja na loja de conveniência.

Em outro momento, ele conversa com um homem e dança, aparentemente alcoolizado. A imagem mostra ele com duas garrafas de bebida – uma de vodca e outra de uísque – e um copo, que ele enche com a vodca e, em seguida, bebe.

Segundo os investigadores, a cena foi cerca de uma hora antes do atropelamento.

Após o acidente, o carro ficou com a lataria destruída. Dentro, a polícia encontrou uma garrafa de uísque.

Fuga para casa de amigo

O capitão fugiu pra casa de um amigo na Rua Professora Souza Leão, a um quilômetro do local, mas foi encontrado e preso. Na delegacia, Passos contou que não se lembra se dirigia em alta velocidade. Disse apenas que comprou um energético antes do acidente.

O capitão disse que fugiu "porque teve medo de ser linchado". Imagens da hora do atropelamento, entretanto, mostram que o local estava deserto no momento do acidente.

Ele foi levado ao Instituto Médico-Legal e fez exame de alcoolemia. Se for comprovado que estava bêbado, o oficial pode ser condenado a até 23 anos de prisão.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.